Tudo sobre o Tabuleiro Ouija

(Retirado do site Brasil Bizarro por Cianid Kolesnikov Site Brasil Bizarro) Ao contrário do bizarro jogo japonês Hyaku Monogatari, acredito que a grande maioria das pessoas já deve ao menos ter ouvido falar, na infância ou na adolescência, do famoso Jogo do copo ou de qualquer um de seus derivados, como o Jogo do Compasso ou até mesmo o famoso Jogo do Pêndulo. Essas brincadeiras são formas mais rudimentares de se jogar o Tabuleiro Ouija. 
Desses modos mais parcos, o mais interessante é ultilizar uma cartolina para escrever e recortar todas as letras do alfabeto de modo a dispô-las num círculo e usar um copo como o comunicador móvel, ou seja, o famoso Jogo do Copo. Mas nada supera um clássico jogo de Ouija executado numa velha tábua de madeira... Agora só falta coragem!

O que é 

O tabuleiro Ouija é usado em adivinhações e no espiritualismo para conversar com os mortos. Normalmente possui inscritas as letras do alfabeto, além de palavras como "sim", "não" e "adeus". Uma planchette (um dispositivo deslizante com 3 pernas) ou algum tipo de ponteiro, incluindo até mesmo uma moeda, é manipulado pelos que usam a tábua. Os usuários fazem uma pergunta ao tabuleiro e, um deles ou todos juntos, movem o ponteiro sobre o tabuleiro até que uma letra seja selecionada pelo ponteiro, de modo a formar palavras. As letras soletram uma resposta à questão formulada.

Algumas pessoas não gostam de classificar o Ouija como um jogo, alegando se tratar da mais puranecromancia, estando assim bem longe de ser uma mera brincadeira. Alguns até mesmo atribuem infortúnios acontecidos com jogadores ao tabuleiro, já que após utilizarem o Ouija a fatalidade não tardou a se mostrar. 
Muitos condenam o jogo por acharem que ele é algo maléfico e imprevisível, e talvez realmente o seja, já que os participantes não possuem qualquer critério ou poder de escolha quanto a quem ou o que irá se comunicar. Tanto pode-se ser invocado um espírito bondoso e prestativo, quanto um espírito das trevas, cruel e sedento por sangue.


Explicações

Os praticantes afirmam que forças paranormais ou sobrenaturais estariam em ação, soletrando as respostas do tabuleiro Ouija. A teoria é provavelmente ainda mais antiga que a própria criação do Ouija como o conhecemos, visto que o jogo tem suas bases em práticas antigas da Necromancia, chegando ainda a ser usada por necromantes contemporâneos. 


Já os céticos acreditam que os que usam o tabuleiro selecionam, consciente ou inconscientemente, o que é lido. Para comprovar isso, tente fazê-lo de olhos vendados por algum tempo, enquanto um assistente neutro toma nota das letras selecionadas, e tire suas próprias conclusões.
Para céticos, o movimento da planchette não se deve a forças paranormais, mas a movimentos imperceptíveis dos corpos daqueles que controlam o ponteiro, conhecidos como efeito ideomotor. O mesmo tipo de movimento imperceptível supostamente atua na rabdomancia.


Seja qual for a realidade por trás do Ouija, convenhamos que é algo indubitavelmente atraente.

História

Em 1848 duas famosas irmãs médiuns norte-americanas, Kate e Margaret Fox, disseram à mídia que contactaram o espírito de um vendedor que havia morrido há alguns anos. Essas irmãs são as responsáveis pelo surgimento e alastramento do espiritualismo nos Estados Unidos, e posteriormente, chegaram a influenciar o próprio Allan Kardec, criador do espiritismo moderno.

Existem diversos indícios que apontam para um possível aperfeiçoamento do antigo tabuleiro por volta de 1853. O responsável pelo funcionamento atual do tabuleiro foi o espiritualista M. Planchette (daí vem o nome da coisa!), sendo atribuído a ele a criação do indicador móvel tal como nós conhecemos hoje em dia.

Mas o tabuleiro Ouija só conquistou mesmo o público norte-americano em 1890, quando passou a ser vendido como jogo de salão em lojas de novidades. 

 E.C. Reiche, Elijah Bond e Charles Kennard criaram um desenho alfanumérico totalmente novo. Espalham as letras do alfabeto em dois arcos atravessando o meio do tabuleiro. Abaixo das letras ficavam os números de 1 a 10. Nos cantos, haviam "sim" e "não."
Kennard chamou o novo tabuleiro de Ouija, em alusão à palavra egípcia que significaria boa sorte. Ouija na verdade não é boa sorte em egípcio, mas como o tabuleiro lhe disse que era, durante uma sessão, o nome acabou sendo adotado.


 Uma das primeiras peças de propaganda de William Fuld foi reinventar a história do tabuleiro Ouija. Afirmou ter sido ele próprio quem inventou o tabuleiro, e que o nome Ouija era uma fusão da palavra francesa "oui" para sim, e a alemã "ja" também para sim.

Embora os tabuleiros Ouija sejam vendidos geralmente na seção de novidades ou jogos das lojas, muitas pessoas juram que existe algo de proporção perigosíssima neles. Por exemplo, Susy Smith, em Confessions of a Psychic (Confissões de um Médium) afirma que o uso de um tabuleiro Ouija a tornou mentalmente perturbada. Em Thirty Years Among the Dead (Trinta Anos Entre os Mortos) (1924), o psiquiatra norte-americano Dr. Carl Wickland afirma que o uso do tabuleiro Ouija provocava uma demência tão violenta que internação em manicômios se fazia necessária.


Será que é isso o que acontece quando amadores tentam mexer com o oculto? Talvez se eles forem sugestionáveis, não muito céticos e um pouco perturbados... Porém, até pessoas muito inteligentes com frequência ficam impressionadas com sessões do tabuleiro Ouija. Elas acham difícil explicar a comunicação e coerência em respostas como simplesmente o efeito ideomotor refletindo pensamentos inconscientes.

Como jogar

O funcionamento do Ouija é tão simples quanto o de seus contemporâneos (o Jogo do Copo, por exemplo), sendo justamente o fácil acesso a leigos a razão de tamanha periculosidade que o tabuleiro possui. 
Não existe nenhuma regra que indique um lugar especifico para se realizar o jogo (ritual?), sendo muito comum vermos praticantes até mesmo em refeitórios e banheiros de escolas, mas o lugar ideal para o contato obviamente é um local calmo e com pouca luminosidade, já que os espíritos normalmente se manifestam em lugares tranquilos sem confusão ou agito humano - por que não um  cemitério à noite?! 


Também não existe uma especificação quanto ao número de participantes, podendo variar desde uma só pessoa a grandes grupos.
O ideal para a comunicação é ter no máximo cinco indivíduos, já que em grupos grandes a baderna e bagunça rolam soltas, sem contar que a presença de muita gente aumenta a possibilidade de ter na roda um engraçadinho que provavelmente não estará levando nada à sério e apenas atrapalhará a comunicação, com suas piadas e vibrações céticas.


É necessário que os participantes coloquem levemente os dedos sobre a planchette e façam perguntas aos espíritos que ali se encontram, sendo geralmente a pergunta de abertura "Tem alguém aqui?" repetida consecutivamente até se obter uma resposta. O espírito irá exercer uma força sobre o ponteiro indicando suas respostas.
Aconselho a primeiro identificarem o espírito antes de partirem para questões mais complexas, e lembrem-se que morto nenhum sabe a resposta para tudo, e existem sim fantasmas mentirosos.
Pensem no tabuleiro como uma porta de uma casa escancarada à noite, e estejam cientes que podem entrar tanto convidados educados quanto pessoas grosseiras e maldosas.

Caso tenham interesse em adquirir um tabuleiro Ouija ele pode ser achado em diversos sites de vendas pelas internet, variando bastante de preço. Mas se quiser fazer uso do copo e do tabuleiro made in Brasil, funcionará da mesma maneira.

Dicas e curiosidades

  • O tabuleiro funcionará apenas se sua mente estiver aberta a ele; não espere resultados caso sua energia seja negativa e não se abra para tais coisas.
  • O Ouija pode ser uma questão de sorte. Às vezes, o tabuleiro responderá ativamente; em outros casos, será como se ele estivesse dormindo. 
  • É melhor tentar durante a noite ou nas horas iniciais da manhã.
  • Remova todas as distrações. Não deve haver música alta, chiado de televisão ou crianças correndo por perto. O contato com o outro mundo requer concentração para funcionar corretamente.
  • Desliguem os celulares! Aceitar uma chamada no meio de uma conversa interrompe o progresso e o humor.
  • Nas instruções originais do jogo diz-se que se deve colocar o tabuleiro nos joelhos de dois participantes. Os joelhos dos dois devem estar se tocando. Mas claro, não deixe que isso te limite.
  • Se seu tabuleiro parecer um pouco sonolento, mova a prancheta suavemente com movimentos circulares e continue.


  • Algumas vezes a prancheta se move muito rapidamente – em outras, ela se mexe muito lentamente. Não se irrite caso precise esperar muito para obter uma mensagem. Espere ou feche o jogo para continuá-lo um pouco mais tarde.
  • Seja educado e respeitoso, mas não se torne submisso nem demonstre medo. Seja amigável. Isso o encorajará a cooperar com você.
  • Você pode não obter as respostas desejadas. Isso não é culpa do tabuleiro ou do espírito. Ficar irritado ou violento apenas arruinará o clima do jogo e do ambiente.
  • Não faça perguntas tolas ou estúpidas. O espírito dificilmente irá querer perder seu tempo respondendo questões como: “O que o Gui disse à irmã dele sobre mim?”. Isso sem mencionar quanto tempo ele levaria para responder tudo direitinho...
  • Antes de fazer uma pergunta, pense, por que raios o espírito saberia especificamente isso? Evite perguntas muito pessoais.


  • Não acredite em tudo o que o tabuleiro lhe disser. Se ele disser que você vai morrer nos próximos dez minutos, não saia correndo em frente aos ônibus. 
  • Concentre-se. Para obter os melhores e mais eficientes resultados, todos os jogadores precisam limar as mentes e focar nas questões em jogo.
  • Todos os jogadores precisam se sentar e jogar de maneira séria e respeitosa. Retire qualquer amigo que esteja rindo ou querendo fazer perguntas ridículas, ou morrendo de medo.
  • Certifique-se de que nenhum jogador esteja dominando a prancheta. Tais jogadores não devem participar desse jogo se eles estiverem movendo claramente a peça. Cada jogador deve distribuir o mesmo peso sobre a prancheta.
  • Se a prancheta começar a desenhar “oitos” no tabuleiro ou contar de Z a A ou de 9 a 0, termine a partida dizendo adeus. Qualquer uma dessas coisas acontecendo indica que o espírito está tentando escapar do tabuleiro, ou irritado. 
  • A repetição constante do número oito indica que o espírito está nervoso. 
  • Se em qualquer momento você se sentir assustado ou achar que a sessão está fugindo do controle, encerre o jogo ao mover o indicador ao símbolo de “adeus” e se despeça.
Fonte de Pesquiza

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga Me