VEJA TAMBEM HIV-O vírus da imunodeficiência humana (VIH), também conhecido por HIV (sigla em inglês para human imunodeficiency virus

Ciclo do vírus da polio

O vírus da polio

­­





Poliovirus, imagem 3D
David Belnap/Brigham Young University e
­­James Hogle/Harvard Medical School

Imagem 3D do poliovirus
A p­oliomielite é uma doença causada pelo poliovirus, que é um virus formado por uma cadeia simples de RNA do gênero Enterovírus, da família Picornaviridae. Tem três sorotipos - 1, 2 e 3 - e mede de 24-30 nm de diâmetro. Os três sorotipos do poliovírus chamados de 1, 2 e 3 provocam a poliomielite. O poliovirus tipo 1 é o isolado com maior freqüência nos casos com paralisia, seguido do tipo 3. O sorotipo 2 apresenta maior imunogenicidade, seguido pelos sorotipos 1 e 3. A imunidade é específica para cada sorotipo.
O poliovirus é um virus com alta infectividade, ou seja, ele rapidamente penetra no corpo do hospedeiro (doente) e se multiplica em 100% dos casos. Mas somente de 0,1% a 2,0% dos infectados desenvolvem a forma paralítica da doença (1:50 a 1:1000). Isso significa que a capacidade do vírus de causar uma forma importante (com paralisia) da doença é pequena. A gravidade da doença é maior quando o vírus contamina adolescentes ou adultos.
A letalidade da poliomielite varia entre 2% e 10%, mas pode ser bem mais elevada dependendo da forma clínica da doença. A poliomielite bulbar (atinge o bulbo, uma das partes do tronco cerebral) apresenta uma letalidade entre 20% e 60%, e a poliomielite espinhal, com acometimento respiratório, entre 20% e 40%. Em imunodeficientes chega a 40%, sendo muito freqüente o aparecimento de seqüelas.
O reservatório do vírus na natureza é o homem. A transmissão pode ser direta,  de pessoa a pessoa, por meio de secreções de nariz e faringe de pessoas (tosse, espirro) com a infecção. Pode ocorrer a transmissão indireta, por alimentos, água ou objetos contaminados. A transmissão era mais freqüente em ambientes cheios de crianças com más condições de higiene. O período de incubação da doença é de 7-12 dias.
 Na pessoa infectada, a transmissão do vírus pela orofaringe dura uma semana e pelas fezes por até seis semanas. O período de transmissão acontece geralmente antes das manifestações clínicas da doença quando a pessoa não sabe que está contaminada.
Em países de clima temperado, verifica-se incidência maior no verão e princípio do outono. Nos países de clima tropical, a distribuição dos casos é uniforme durante todo o ano. A transmissão é potencialmente mais intensa em áreas urbanas densamente povoadas, mas também ocorre em áreas rurais.

Sinais e sintomas da poliomielite

­Os primeiros sintomas da contaminação pelo vírus da polio podem aparecer de 10 a 12 dias após o contágio. A quadro clínico da poliomielite inclui febre e alterações gastrointestinais, como diarréia. Nos casos mais graves pode aparecer rigidez de nuca, reflexos tendíneos inicialmente hiperativos e que posteriormente são abolidos (quando a doença causa a paralisia). A sensibilidade é mantida. Geralmente a doença atinge os membros inferiores, e o comprometimento é assimétrico.
A doença é mais grave quando lesa os núcleos motores dos pares cranianos e atinge as áreas do sistema nervoso responsáveis pelo comando da respiração. Quando maior o comprometimento do sistema nervoso, maior a gravidade do quadro. Nas pessoas com a doença, a paralisia pode se intalar e não regredir, enquanto nos casos mais leves há recuperação parcial ou total.
Atualmente, é muito importante confirmar a doença nos casos suspeitos. O diagnóstico laboratorial da poliomielite objetiva o isolamento do vírus e do seu sorotipo. Como o poliovirus selvagem foi erradicado do continente americano, os casos suspeitos têm que ser rigorosamente investigados. Os exames que ajudam no diagnóstico são:
  • quimiocitológico do líquor,
  • detecção de anticorpos da classe IgM, e
  • eletroneuromiografia.
Todas as doenças que podem dar um quadro clínico semelhante ao da poliomielite têm que ser afastadas (diagnóstico diferencial).

O diagnóstico final é feito pelo isolamento e identificação do vírus nas fezes, preferencialmente nas primeiras duas semanas após a instalação da paralisia. A amostra pode ser colhida por meio de esfregaço da mucosa do ânus. As fezes devem ser conservadas entre +2º e +8ºC, até três dias, e após, em freezer a uma tempratura de  –20º ou –70ºC. O isolamento do vírus também pode ser feito do sangue, orofaringe e líquor, embora em menor porcentagem do que nas fezes. Nos casos de óbito, podem ser coletados tecidos do sistema nervoso central para posterior isolamento do virus.
O diagnóstico sorológico pode ser feito coletando-se duas amostras de sangue, uma na fase aguda e outra na de convalescença; para confirmação da infecção, o título de anticorpos deve aumentar em quatro vezes.
­Veja na próxima página qual é o tratamento para a poliomielite.

Tratamento da poliomielite

­­Como acontece em muitas doenças por vírus, não há tratamento específico, somente cuidados gerais, como repouso rigoroso nos primeiros dias, o que reduz o risco de paralisias. Deve-se tratar a dor e a febre e as complicações que surgirem.





Franklin Delano Roosevelt
Franklin Delano Roosevelt, presidente­
dos EUA de 1933 a 1945,
­­foi a vítima mais famosa da poliomielite
A complicação mais grave da poliomielite e que causava a morte era o comprometimento do sistema nervoso na região do bulbo e da medula responsáveis pela respiração. O acometimento desses centros levava à paralisia da musculatura respiratória e morte.
A solução veio com a invenção do pulmão de aço, um aparelho de ventilação que funcionava com pressão positiva externa que permitia às crianças continuarem respirando. Muitas crianças cresceram ligadas ao pulmão de aço e permaneceram ligadas a eles por décadas até a morte - em geral por infecções respiratórias.
A vítima mais famosa da poliomielite foi o presidente dos Estados Unidos Franklin Delano Roosevelt que governou o país por quatro mandatos de 1933 a 1945.



A situação da poliomielite no Brasil

­­A poliomielite foi considerada erradicada no mundo e no Brasil em 1994, 19 anos depois de  a epidemiologia da poliomielite ter começado a ser estudada no Brasil. Até a década de 1980, como a cobertura vacinal era muito baixa, a poliomielite era muito freqüente no país (em torno de 2.300 casos por ano). A partir de 1980, o Brasil passou a utilizar a estratégia das campanhas de vacinação com mudança desse quadro. O número de casos confirmados começou a cair muito acentuadamente a partir do início da década de 80 chegando a 45 casos notificados, em 1983. A mortalidade também caiu bastante e a letalidade (número de casos que morreram entre todos os que apresentaram a doença) ficou em torno de 14%.­






Campanha de vacinação contra a poliomielite em Ribeirão Preto­
Ministério da Saúde/Divulgação
Dia nacional de vacinação contra a poliomielite no Rio de Janeiro
­­Em 1986 ocorreu uma epidemia de poliomielite pelo poliovírus tipo 3 na Região Nordeste. A investigação epidemiológica mostrou que o problema estava na vacina contra o sorotipo 3 utilizada na época e que não fornecia proteção suficiente contra esse sorotipo. A vacina foi modificada com aumento da sua eficácia. A partir desse ano o objetivo foi o de erradicar a transmissão autóctone do poliovírus selvagem no país como já havia acontecido em outros países.  A última vez que o poliovírus selvagem foi isolado no país foi em março de 1989.
As grandes campanhas de vacinação no Brasil são feitas com a vacina Sabin que também faz parte do calendário básico de vacinação das crianças no país. O esquema preconizado consta de:
  •  três doses básicas, no segundo, no quarto e no sexto mês de vida,
  • um reforço seis a doze meses após a terceira dose e
  • outro aos cinco ou seis anos de idade.
A vacina utilizada é a vacina oral de vírus vivo atenuado, contendo os três sorotipos do poliovirus. A vacinação de indivíduos imunodeprimidos deve ser feita com a vacina de vírus inativado.





Cartaz de campanha de vacinação contra a polio
Prefeitura de São Paulo/Divulgação
Campanha de vacinação contro a polio
Complementando a vacinação de rotina, o Ministério da Saúde promove anualmente, desde 1980, dias nacionais de vacinação contra a poliomielite, vacinando as crianças menores de 5 anos, independente das doses anteriores, objetivando, além do aumento da cobertura, a disseminação do vírus vacinal na comunidade. Notificação de casos
Qualquer caso suspeito de poliomelite deve ser notificado, imediatamente, ao serviço de Vigilância Epidemiológica da região onde o paciente foi atendido ou à Central de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde (telefone 0800 55 54 66). Isso inclui todos os casos de paralisia flácida aguda em menores de 15 anos e, em pessoas de qualquer idade, quando a suspeita diagnóstica for poliomielite.
Deve-se fazer uma investigação cuidadosa junto aos familiares com o objetivo de levantar dados da história, sinais e sintomas iniciais, antecedentes de vacinação e evolução do caso. É fundamental obter informações referentes a contato com casos semelhantes e a viagens realizadas nos últimos 30 dias antes da instalação da paralisia. Há risco de reintrodução do poliovírus selvagem, devido à ocorrência de casos em países com grande fluxo migratório para o Brasil, por isso há necessidade de investigação de casos suspeitos de pessoas vindas de paises onde a poliomielite não foi erradicada.
Cuidados
­A vacina Sabin não deve ser administrada aos indivíduos com imunodepressão grave, pois há relatos de disseminação do poliovírus atenuado podendo levar à instalação de paralisia até 6 meses após a administração da vacina oral.
Indivíduos normais podem excretar o poliovírus atenuado em suas fezes até 4 a 6 semanas após terem recebido a vacina oral contra a poliomielite. Recomenda-se, por isso, que os imunodeprimidos e seus contactantes  sejam vacinados com a vacina inativada de potência aumentada contra a poliomielite (VIP). Se um contato domiciliar de pessoa portadora de imunodeficiência for inadvertidamente vacinado com a vacina oral, deve-se evitar o contato físico com o indivíduo imunodeficiente por, pelo menos, 4 a 6 semanas (período máximo de excreção viral).
No Brasil e em países onde são realizadas as campanhas anuais de vacinação contra a poliomielite é praticamente impossível evitar o contato com indivíduos recentemente vacinados com a vacina oral. Assim sendo, recomenda-se redobrar os cuidados com as medidas de higiene, para evitar que os imunodeprimidos entrem em contato com pessoas que receberam a vacina Sabin.





Sabin e a vacina oral­
­A vacina oral contra a poliomielite foi criada por Albert Bruce Sabin, médico e microbiologista polonês naturalizado americano. Sabin foi o primeiro pesquisador a demonstrar o crescimento do poliovírus no tecido n­ervoso humano fora do corpo. Foi ele que, em 1939, invalidou a teoria de que o poliovírus entra no corpo pelo nariz e pelo sistema respiratório, demonstrando que a poliomielite humana é uma infecção do trato digestivo.
Sabin defendia que o vírus enfraquecido e vivo da polio, ­administrado oralmente, daria imunidade por um longo período de tempo. Em 1957, ele isolou cadeias atenuadas de cada um dos três tipos do poliovírus (não eram fortes o bastante para produzir a doença, mas eram capazes de estimular a produção de anticorpos), e começou os experimentos com a administração oral dessas correntes atenuadas.
Os testes humanos com a vacina oral foram feitos com a cooperação de cientistas no México, na Holanda e na União Soviética e, após ficar provada a eficácia da vacina oral contra a polio, três anos depois ela foi aprovada nos EUA como a principal defesa mundial contra a doença.
Fonte: Enciclopédia Britannica

O poliomielite no mundo

A Organização Mundial da Saúde resolveu erradicar a poliomielite na segunda metade do século 20 e isso teve um impacto dramático sobre a incidência da doença. A poliomielite foi erradicada das Américas (1994), da região Ocidental do Pacífico (2000) e da Europa (2002). Entretanto, persistiram focos na África e no Sudeste Asiático.





Vacinação contra a polio na África
Organização Mundial da Saúde/Divulgação
Vacinação em massa promovida pela Organização Mundial da Saúde para erradicar a doença; focos ainda persistem em países africanos
No início de 2005, o número de casos notificados da doença tinha diminuído em 99%, com somente seis países mantendo casos endêmicos de poliomielite pelo vírus selvagem: Nigéria e Índia com o maior número de casos, seguidos por Paquistão, Niger, Afganistão e Egito com um número pequeno de casos.
No período de 2002-2003, a Índia apresentou 1.517 casos, seguida pela Nigéria com 180 casos. A Índia instituiu uma ampla campanha de vacinação com auxílio de voluntários,  reduzindo a 224 casos ao final de 2003, 134 em 2004 e somente 15 em 2005. Entretanto, na Nigéria, vários líderes religiosos acusaram a vacina contra a pólio de causar infertilidade e transmitir o vírus da aids, o que levou a um retrocesso nas campanhas. Isso levou a um grande aumento do número de casos com exportação do vírus para 18 países. Atualmente o número de casos de pólio por vírus importado é superior ao número de casos de países onde a pólio é endêmica.
Para deter os casos importados de poliomielite em países que já tinham erradicado a doença, tanto a África quanto a Ásia realizaram grandes campanhas de vacinação com a imunização de 375 milhões de crianças em 45 países. Em 2005, a importação de casos da Arábia Saudita e do Sudão (países com baixa cobertura vacinal) levou a uma importante epidemia na Indonésia que estava há dez anos sem casos de poliomielite por vírus selvagem.
Esses problemas mostraram a importância de se manter uma alta cobertura vacinal mesmo que a doença tenha sido erradicada do país, o que impede a importação de novos casos de países que ainda persistem com a doença. Além da Indonésia, o Iêmen também apresentou vários casos importados, com a instalação de vários dias nacionais de vacinação para conter a doença. O país com maior número de casos continua sendo a Nigéria.
Número de casos de poliomielite por país (2005)
Número mundial de casos 1469
Nigéria (endêmica) 544
Iêmen (importação) 473
Indonésia (importação) 283
Índia (endêmica) 45
Somália (importação) 37
Sudão (re-estabelicida a transmissão) 26
Paquistão (endêmica) 19
Etiópia (importação) 17
Angola (importação) 9
Níger (endêmica) 5
Afeganistão (endêmica) 4
Mali (importação) 3
Chade (re-estabelecida a transmissão) 1
República dos Camarões (importação) 1
Eritréia (importação) 1
Nepal (importação) 1
­

Os riscos da vacina contra a poliomielite

­Um­ estudo no Brasil usando dados das fichas de investigação de notificações de paralisias flácidas agudas do Ministério da Saúde do Brasil analisou os casos de poliomielite pós-vacina no período de 1995-2001. ­
Foram considerados como casos os indivíduos com diagnóstico de paralisia flácida aguda com isolamento de vírus vacinal nas amostras de fezes ou seqüela compatível com poliomielite até 60 dias após o início da deficiência motora e os indivíduos em qualquer faixa etária que mantiveram contato com indivíduos vacinados entre 4 e 40 dias antes do início da doença e que desenvolveram deficiência motora entre 4 e 85 dias após esse contato.
Registraram-se dez casos de pólio pós-vacinal no período. A média de idade dos casos foi de 4,7 meses. Quatro casos foram associados à primeira dose da vacina, quatro casos foram associados à segunda dose da vacina e dois casos foram atribuídos a contato com outras pessoas.
Os sorotipos vacinais isolados foram o tipo 1 (dois casos), o tipo 2 (um caso) e o tipo 3 (três casos). Em quatro dos casos, foram isolados mais de um sorotipo do vírus. O risco observado para poliomielite associada ao vírus vacinal durante o período foi de 1:5,11 milhões de primeiras doses e de 1:10,67 milhões para o total de doses.
Mesmo sendo um número muito pequeno há risco de contrair a doença pós utilização da vacina com virus atenuado.

direitos autorais de pesquisa:
Isabela Benseñor & Associados

HIV-O vírus da imunodeficiência humana (VIH), também conhecido por HIV (sigla em inglês para human imunodeficiency virus

 

HIV-budding-Color
O vírus da imunodeficiência humana (VIH), também conhecido por HIV (sigla em inglês para human imunodeficiency virus), é da família dos retrovírus e o responsável pela SIDA (AIDS). Esta designação contém pelo menos duas sub-categorias de vírus, o HIV-1 e o HIV-2. Entre o grupo HIV-1 existe uma grande variedade de subtipos designados de -A a -J. Esses dois subtipos tem diferenças consideráveis, sendo o HIV-2 mais comum na África Subsaariana e bem incomum em todo o resto do mundo.
Portugal é o país da Europa com maior número de casos de HIV-2, provavelmente pelas relações que mantém com diversos países africanos.

É estimado que 45% dos portadores de HIV em Lisboa tenham o vírus HIV-2.
Em 2008, a OMS estimou que existam 33,4 milhões de infectados, sendo 15,7 milhões mulheres e 2,1 milhões jovens abaixo de 15 anos. O número de novos infectados neste ano (2009) foi de 2,6 milhões. O número de mortes de pessoas com AIDS é estimado em 1,8 milhões
Já dentro do corpo, o vírus infecta principalmente uma importante célula do sistema imunológico, designada como linfócito T CD4+ (T4).
De uma forma geral, o HIV é um retrovírus que ataca o sistema imunológico causando eventualmente a síndrome da imunodeficiência adquirida em casos não tratados.


O HIV-1 foi descoberto e identificado como causador da AIDS por Luc Montagnier e Françoise Barré-Sinoussi da França e Odete Ferreira de Portugal em 1983 no Instituto Pasteur na França. O HIV-2 foi descoberto por Odete Ferreira de Portugal em Lisboa em 1985.
Sua descoberta envolveu uma grande polêmica, pois cerca de um ano após Montagnier anunciar a descoberta do vírus, chamando-o de LAV (vírus associado à linfoadenopatia), Robert Gallo publicou a descoberta e o isolamento do HTLV-3. Posteriormente se descobriu que o vírus de Gallo era geneticamente idêntico ao de Montagnier, e que possivelmente uma amostra enviada pelo francês havia contaminado a cultura de Gallo.
O último boletim da UNAIDS projeta cerca de 33,2 milhões de pessoas que vivem com o HIV em todo o mundo no final de 2007, a maioria na África. Segundo a UNAIDS (2008), dois terços dos infectados estão na África sub-saariana.
Nos Estados Unidos, infectar voluntariamente outro indivíduo configura transmissão criminosa do HIV. Acontece o mesmo em muitos países ocidentais, inclusive no Brasil.
O vírus do HIV adaptou-se à espécie humana a partir de símios SIV.Ver artigo principal: Vírus da imunodeficiência símia
Nas pessoas com HIV, o vírus pode ser encontrado no sangue, no esperma, nas secreções vaginais e no leite materno.
Assim, uma pessoa pode adquirir o HIV por meio de relações sexuais, sem proteção - camisinha -, com parceiros portadores do vírus, transfusões com sangue contaminado e injeções com seringas e agulhas contaminadas. Mulheres grávidas portadoras de HIV podem transmitir o vírus para o feto através da placenta, durante o parto ou até mesmo por meio da amamentação. A transmissão de doenças de mãe para filho é chamada de transmissão vertical.
Na África subsaariana, principalmente na África do Sul, por muitos anos houve um movimento contrário à existência do HIV, por parte de membros do governo, aliada a inúmeras superstições e mitos, apesar das comprovações científicas. Por isso em alguns locais dessa região a quantidade de indivíduos infectados é de mais de 35%.


Reprodução em laboratório do genoma viral

Em 2010, pesquisadores da Universidades Federais de Pernambuco e do Rio de Janeiro, da equipa do professor do Departamento de Genética da UFPE, Sergio Crovella, divulgaram trabalho de investigação dirigido à obtenção de uma vacina terapêutica de vírus recombinante, tendo reproduzido artificialmente o genoma do vírus. Transmissão
O vírus é mais frequentemente transmitido pelo contacto sexual (característica que faz da AIDS uma doença ou infecção sexualmente transmissível), pelo sangue (inclusive em transfusões), durante o parto (mãe para o filho), durante a gravidez ou no aleitamento. Por isso é importante que todas as mulheres grávidas façam testes para HIV. No Brasil, é uma prática comum aconselhar gestantes que chegam ao hospital a fazer todos os testes de doenças transmissíveis verticalmente.
No Brasil, em 2002, a cobertura de exames de HIV em grávidas foi estimada em 52%, sendo pior no Nordeste com 24% e melhor no Sul com 72% de cobertura. Somente 27% seguiram todas as recomendações do Ministério da Saúde. Ter maior escolaridade e morar em cidades com mais de 500 mil habitantes foram os melhores preditores de grávidas que fazem todos os exames.
Ainda relativo ao Brasil, o Ministério da Saúde oferece gratuitamente o leite substituto em alguns postos de saúde, hospitais e farmácias cadastrados.
No caso de transmissão pelo sangue, é mais provável por seringas compartilhadas entre usuários de drogas ou caso seja feita reutilização.
A transmissão pelo beijo é altamente improvável (estimado em menos de 0,01% de probabilidade), pois o vírus é danificado por 10 substâncias diferentes presentes na saliva. Além disso existem poucas células CD4 na boca. Ter boa higiene oral e tomar os medicamentos diminui as possibilidades ainda mais. Mesmo em pessoas com AIDS (carga viral no sangue por volta de 100.000/ml) é difícil encontrar rastros de HIV na saliva.

Fatores de risco

No contacto sexual, pode ser qualquer tipo de sexo, como oral, vaginal e anal. A transmissão do HIV durante o contacto sexual pode ser facilitada por vários factores, incluindo:
  • Penetração sem proteção;
  • Ser o receptor (passivo) na relação sexual
  • Presença concomitante de doenças sexualmente transmissíveis, especialmente aquelas que levam ao aparecimento de feridas genitais;
  • Lesões genitais durante a relação sexual;
  • Elevado número de parceiros sexuais e relações desprotegidas;
  • Carga viral elevada da pessoa infectada.
  • Hemorróida avançada.

Características

No Brasil, nos últimos anos a transmissão do HIV que antes era predominantemente masculina, mais frequente entre os homossexuais e afetando todas as classes sociais, agora caracteriza-se por quatro processos
  • Heterossexualização;
  • Feminização;
  • Interiorização;(aumento nas cidades do interior)
  • Pauperização.(aumento nas populações mais pobres)
Outro dado observado é o aumento na proporção de pessoas com escolaridade mais baixa e em adultos com mais de 30 anos.

Fatores de proteção

Alguns dos fatores que diminuem a probabilidade da transmissão são:
  • Usar sempre preservativo masculino ou preservativo feminino corretamente;
  • Usar lubrificante (pois resulta em menos microferimentos);
  • Baixa quantidade de vírus no portador;
  • Tomar os medicamentos antirretrovirais corretamente;[13]
  • Circuncisão masculina. [14] (porém há estudos com resultados controversos)
Em um estudo longitudinal de 20 meses de duração com casais heterossexuais sorodiferentes, de 124 casais que usaram sempre camisinha nenhum contaminou seu parceiro, enquanto 12 dos 121 que usavam camisinha inconsistentemente foram infectados.[12]
Também são raros os casos de transmissão por ferimentos, pois apesar de haver relatos esporádicos, o vírus não resiste muito tempo fora do corpo e é necessário que haja contato com o sangue tanto por parte do portador como do receptor. É pouco provável que o sangue contaminado em contato com uma pele saudável (sem ferimentos) contamine outra pessoa, apesar de ser possível, pois existem muitos fatores envolvidos.
O uso da terapia antirretroviral diminui em 96% o risco de transmissão do HIV. Por isso os remédios podem receitados aos parceiros não infectados de soropositivos. [15]
No caso de profissionais de saúde, é possível tomar os medicamentos anti-retrovirais para prevenir a infecção por 28 dias caso o contágio tenha ocorrido em menos de 72h. O risco estimado de contaminação por contato com uma agulha contaminada é de 0,3%. [
No Brasil, pacientes que tenham experienciado situação com alto nível de contágio (como sexo anal sem camisinha com pessoa de sorologia desconhecida) há menos de 72h podem solicitar ao médico que prescreva anti-retrovirais para prevenir a contaminação.[18]

 Sinais e sintomas

 Infecção aguda inicial

 
Sintomas da fase aguda de HIV (em inglês).
Assim que se adquire o HIV, o sistema imunológico reage na tentativa de eliminar o vírus. Cerca de 15 a 60 dias depois, pode surgir um conjunto de sinais e sintomas semelhantes ao estado gripal, o que é conhecido como síndrome da soroconversão aguda.
A infecção aguda pelo HIV é uma síndrome inespecífica, que não é facilmente percebida devido à sua semelhança com a infecção por outros agentes virais como amononucleose, gripe, até mesmo dengue ou muitas outras infecções virais. Mas os sintomas mais comuns da infecção aguda são:
  • Febre persistente
  • Cansaço e Fadiga
  • Erupção cutânea
  • Perda de peso rápida
  • Diarréia que dure mais de uma semana
  • Dores musculares
  • Dor de cabeça
  • Tosse seca prolongada
  • Lesões roxas ou brancas na pele ou na boca
Além disso, muitos desenvolvem linfadenopatia. Faringite, mialgia e muitos outros sintomas também ocorrem.[19]
Em geral esta fase é auto-limitada e não há sequelas. Por ser muito semelhante a outras viroses, dificilmente os pacientes procuram atendimento médico e raramente há suspeita da contaminação pelo HIV, a não ser que o paciente relate ocorrência de sexo desprotegido ou compartilhamento de seringas, por exemplo. Entretanto, na fase aguda inicial, mesmo sem tratamento adequado, os sintomas são temporários.

Progressão

Os pacientes poderão ficar assintomáticos por um período variável entre 3 e 20 anos e alguns nunca desenvolverão doença relacionada ao HIV. Este fato relaciona-se com a quantidade e qualidade dos receptores de superfície dos linfócitos e outras células do sistema imune. Tais receptores (os principais são o CD4, CCR5 e CXCR4) funcionam como fechaduras que permitem a entrada do vírus no interior das células: quanto maior a quantidade e afinidade dos receptores com o vírus,maior será a sua penetração nas células, maior a replicação viral e maior velocidade de progressão para doença.
Foi criada então uma classificação não muito rígida:
  • Rápido progressor (adoece em até 3 anos)
  • Médio progressor (adoece entre 4 e 7 anos)
  • Longo progressor (entre 8 e mais anos)
Estas características são determinadas por fatores genéticos e outros fatores desconhecidos. Não obstante, os hábitos e a qualidade de vida podem ser determinantes da velocidade de progressão da doença, tendo em conta o impacto de fatores como tabagismo, alcoolismo, toxicodependência, estresse, alimentação irregular e outros.
A velocidade de progressão está relacionada com a queda da contagem de linfócitos T CD4 no sangue (a contagem normal dos linfócitos varia de 1.000 a 2.500 células/ml de sangue) e com a contagem da carga viral do HIV (a contagem da carga viral é considerada alta acima de 100.000 cópias/ml de sangue. A escala para carga viral é habitualmente logarítmica. Com o tratamento adequado, a carga viral tende a ficar abaixo de 50 cópias/ml.
O HIV destrói os linfócitos CD4 gradativamente (em média a contagem declina 80-100 células/ml/ano). A contagem relaciona-se inversamente com a gravidade da doença. Para fins de tratamento com as drogas anti-retrovirais consideram-se os seguintes parâmetros:
  • Abaixo de 200 células/ml: Muito vulnerável, tratar imediatamente;
  • Entre 200 e 350 células/ml: Vulnerável, deve ser iniciado o tratamento para evitar riscos;
  • Entre 350 e 500 células/ml: Pouco vulnerável, pode começar a critério médico;
  • Acima de 500: Saudável, não precisa começar o tratamento.
Porém todos os pacientes com doença oportunista relacionada ao HIV devem ser tratados mesmo com CD4 alto.

Doenças oportunistas

Os sinais e sintomas das doenças relacionadas ao HIV são extremamente variáveis. Uma característica importante é a contagem de linfócitos T CD4. As doenças oportunistas mais comuns que podem sinalizar a contaminação por HIV são:
  • Tuberculose
  • Neurotoxoplasmose
  • Candidíase
  • Pneumocistose recorrente
  • Sarcoma de Kaposi
  • Linfoma
  • Câncer cervical
  • Infecções bacterianas severas
Os sintomas destas doenças são muito parecidos e somente um médico com experiência e em local com apoio laboratorial poderá fazer o diagnóstico e tratamento de cada uma delas. EM CASO DE SUSPEITA SEMPRE DEVEMOS PROCURAR UM MÉDICO. Não é possível predizer que doença acometerá o paciente.
Pessoas que desconhecem que estão com o vírus são as que mais adoecem e só assim descobrem que estão contaminadas.

Prevenção

Com o surgimento das Terapias Anti-Retrovirais (TAR), foram desenvolvidas estratégias de prevenção secundária (após a doença) e terciária (após agravamento). Entretanto a epidemia continua a contaminar anualmente 2,7 milhões de pessoas, segundo dados da OMS de 2008.[7]
Em 2006, o médico da OMS Brian G. William defendeu a circuncisão masculina na África como método eficaz de prevenção (60% de eficácia).[20] mesmo médico em fevereiro de 2010 defendeu em San Diego o uso de anti-retrovirais com baixos efeitos colaterais por pessoas sem o vírus como meio de frear a epidemia
Segundo a Organização Não-Governamental sem fins lucrativos IAVI (International AIDS vaccine iniciative) o HIV infecta quase 7.400 pessoas por dia e uma vacina com 50% de eficácia distribuída para 30% da população mundial poderia proteger 5.6 milhões de indivíduos. Em conjunto com 40 laboratórios, o grupo trabalha na vacina desde 1996. Até agora nenhuma vacina teve mais de 33% de eficácia [9].
Em um estudo recente que incluiu o Brasil, o uso de um comprimido de anti-retroviral (tenofovir) por homens saudáveis preveniu 44% de novas infecções, chegando a 72% nos pacientes que tomaram o remédio em mais de 90% dos dias.
Mães soropositivas que tomem o anti-retroviral durante a gravidez tem apenas de 1 a 2% de chance de transmitir o HIV ao filho. Muitas grávidas ainda tem medo de fazer o teste e/ou se recusam por não se identificarem como possíveis portadoras mesmo sem saber a sorologia do parceiro. Por isso, campanhas de conscientização estão sendo feitas em vários hospitais públicos no Brasil desde 2000

Após situação de risco

Caso um dos parceiros seja diagnosticado como HIV positivo e o outro como HIV negativo, é possível, a critério médico, prescrever os anti-retrovirais para o parceiro soronegativo também, para prevenir a infecção. [23]
De forma semelhante, em vários países inclusive no Brasil, é possível solicitar anti-retrovirais gratuitamente a um médico até 72h após uma situação de risco (como sexo anal sem camisinha). Esse tratamento preventivo dura aproximadamente um mês e é eficaz na prevenção de HIV em mais de 80% dos casos. É uma opção do médico prescrever ou não, mas o paciente pode procurar outros médicos em caso de recusa. Em uma pesquisa em uma parada gay nos Estados Unidos 7% dos entrevistados já tomaram anti-retrovirais preventivamente. (Mais informações no site da sociedade brasileira de infectologia[10])

O vírus

O HIV tem muitos genes que codificam proteínas estruturais.
  • Genes retrovírus gerais
    • gag. proteínas derivadas do gag sintetizam o capsídeo viral em forma de cone (p24, i.e. proteína de 24 Quilo[[dáltons, CA) a proteína do núcleocapsídeo (p17, NC) e um proteína da matriz (MA).
    • pol. O gene pol codifica as proteínas enzimaticamente ativas do vírus. A mais importante é a chamada transcriptase reversa (RT) que realiza a única transcrição reversa do RNA viral em uma cadeia dupla de DNA. O último é integrado ao genoma do hospedeiro, ou seja, em um cromossomo de uma célula infectada de uma pessoa HIV-positiva pela integrase (IN) pol-codificadora. Além disso, a pol codifica uma protease viral específica (PR). Essa enzima cliva o gag e as proteínas derivadas de gag e pol em pedaços funcionais.
    • env. env, abreviação para "envelope". As proteínas derivadas de env são uma membrana de superfície (gp120) e uma proteína transmembrana (gp41). Elas estão localizadas na parte externa da partícula viral, formando um envelope viral o qual permite que o vírus se anexe e incorpore às células-alvo para então iniciar o ciclo infeccioso. A gp possui uma estrutura semelhante a uma maçaneta.
Hxb2genome.gif
  • Genes específicos do HIV
    • tat. Um porção da estrutura do RNA do HIV é uma estrutura como um grampo de cabelo que inicialmente impede que uma transcrição completa ocorra. Parte do RNA é transcrita (ie. antes da parte do grampo) e codifica a proteína tat. A tat liga-se à CdK9/CycT e a fosforila, ajudando a alterar sua forma e a eliminar o efeito da estrutura de grampo do RNA. Isso por si só aumenta a taxa de transcrição, fornecendo um ciclo de retroalimentação positiva. Isto permite que o HIV tenha uma resposta explosiva, uma vez que uma grande quantidade de tat é produzida.
    • rev. A rev permite que fragmentos do mRNA do HIV que contém uma unidade de resposta a rev (RRE) sejam exportados do núcleo ao citoplasma. Na ausência da rev, a maquinaria de splicing do RNA no núcleo rapidamente cliva o RNA. Na presença da rev, o RNA é exportado do núcleo antes de ser clivado, num mecanismo de retroalimentação positiva.

 O HIV e a resposta imune

A infecção começa com uma fase de viremia aguda, seguida por um período de latência clínica. Primeiramente, acreditava-se ser uma verdadeira latência viral como resultado da inserção do HIV no genoma hospedeiro em um estado não produtivo, aguardando condições favoráveis à transcrição. Houve, subsequentemente, um grande trabalho de pesquisa sobre os fatores de transcrição do HIV. Infelizmente, até por volta de 1993, a sensibilidade dos ensaios virais era precária. O uso das técnicas de amplificação por PCR a partir de 1993 permitiu detectar contagens virais de até 50 cópias/ml.
Foram detectadas células dendríticas infectadas com vírions, mostrando que a tão chamada fase de latência não implica inatividade do vírus.

 Centros de Testagem e Aconselhamento no Brasil

No Brasil, o Ministério da Saúde oferece gratuitamente exames para detectar a resposta do organismo ao vírus do HIV. Podem ser feitos em Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) e em alguns hospitais.
Primeiro é efectuado um teste ELISA. Caso o resultado seja positivo ou haja dúvidas, é feito o Western-blot, um exame mais eficaz na detecção mas que também é mais caro e complexo. É importante lembrar que, como ambos os exames detectam a resposta imunológica ao vírus, é necessário esperar de 30 a 90 dias depois do contágio para o exame ser mais preciso .
O resultado é sigiloso, sendo geralmente entregue pessoalmente ao paciente que pode ser seguido em consulta de aconselhamento por profissionais de saúde, de forma a alertar sobre os riscos, encaminhar para outros serviços de saúde e a serviços de acompanhamento psicossocial.
Além do HIV, são feitos simultaneamente exames para sífilis, Hepatite B e Hepatite C pois elas também são doenças sexualmente transmissíveis transmissíveis pelo sangue e que podem levar a danos permanentes e morte se não tratadas corretamente.
É possível encontrar o CTA mais próximo da sua moradia no site do Fique Sabendo:

Teste rápido

Desde 2010 a Fiocruz produz o kit de teste rápido usando os fluídos da boca para identificar resposta do organismo ao HIV entre 20 a 30 minutos. O teste tradicional demora cerca de um mês e um grande número de pacientes não retorna para buscar o resultado. Esse novo teste Confirmatório Imunoblot Rápido, possui uma margem mínima de erro e custa cinco vezes menos ao governo federal que o modelo rápido anterior. Já está disponível em alguns hospitais públicos desde 2011. Uma das principais vantagens é não precisar expor mãe grávida e feto aos anti-retrovirais preventivamente enquanto o resultado não fica pronto como podia ser necessário no tradicional.[24]
Algumas cidades em Pernambuco, Bahia e Rondônia fizeram um projeto para aplicar o teste rápido em centenas de pessoas após o carnaval.


 Fonte de Pesquisa: 

Wikipédia a Enciclopédia Livre- Faça As Suas Pesquisas!

Cuidados Quem as crianças e adolescentes Devem ter ao Usar a Internet

Atenção, atenção! Esse artigo é só para os baixinhos e pré-adolescentes que adoram Orkut e MSN. Um artigo feito para vocês que gostam de marcar o horário do futebol ou passeios pelo Orkut, além conversar com pessoas de todo o mundo pelo MSN. Isso realmente é muito legal, mas, infelizmente, existem perigos e pessoas malvadas por toda a rede de computadores, que acabam um pouco com toda essa alegria. Hoje você verá algumas dicas para não cair nas conversas dessas pessoas.

Privacidade no Orkut é essencial! Evite colocar o seu número de telefone, endereço de casa/escola ou qualquer outro tipo de informação pessoal que possibilite que uma pessoa estranha consiga lhe localizar. Mesmo existindo a opção para “Mostrar apenas para os amigos”, disponibilizar esses dados na internet pode ser perigoso.
Mais privacidade no Orkut, sempre é necessário.
Essas informações podem ser passadas diretamente para seus amigos. Durante uma conversa no intervalo de aula ou em uma anotação feita na última folha do caderno, seu número de celular e endereço podem ser passados aos colegas. Deixando na internet, outras pessoas podem acessá-as, e se essa pessoa não tiver uma boa conduta, pode acabar sendo perigoso para você.
Não envie recados no Orkut ou deixe como no nick do MSN frases do tipo: “Rafa, amanhã vou te esperar na frente da Sorveteria do João, lá pelas 14h”. Aparentemente, simples e normal, não acha? Mas não é! Levando em consideração que essas pessoas malvadas passam horas e horas monitorando as possíveis vítimas, um recado desse tipo é um perigo! E se alguém estiver vigiando você ocultamente pela internet? Essa pessoa saberá o local, o horário e com quem você vai passear.
Não deixe recadinhos assim.
Não são todas as pessoas que usam as configurações de privacidade no Orkut, e por isso, é melhor não dar chance ao azar. Se for para marcar um encontro, ligue para seus amigos ou conversem pessoalmente (e no cara a cara é muito mais divertido).
Esse era um conselho dado na época da minha avó, mas que serve perfeitamente nos dias de hoje. Ser simpático é importante, mas não fale com pessoas estranhas tanto na rua, no ônibus quanto na internet. Você já deve ter recebido solicitações de novos amigos, mas que na verdade são pessoas desconhecidas, que você nunca viu na vida. Tudo bem, no Orkut sempre tem gente querendo ser pop, com 1000 amigos e recados, mas não pense apenas na popularidade.

Desconfie de tudo. As fotos podem ser de uma pessoa da sua idade, com 12 ou 13 anos, mas quem garante que na frente do monitor é exatamente essa pessoa que está conversando com você? Muitas vezes, os pedófilos se passam por crianças ou adolescentes, conversando sobre os assuntos do momento para conquistar a confiança da galerinha. E no final das contas, eles coletam informações e imagens sobre você.
Roupas de praia e íntimas não são apropriadas para aparecerem no Orkut ou no avatar do MSN. Alguma pessoa insana pode pegar sua foto de biquíni e usar para divulgação de prostituição e você nem saberá que sua imagem foi usada para esse fim. Além das fotos, não abuse na webcam no MSN.
Primeiro, se você não conhece o email de solicitação, para adicionar um novo contato, não aceite. Mas, se por algum motivo você aceitou, nada de ligar a câmera no mesmo instante para se mostrar ou para conhecer esse novo amigo desconhecido. Tem gente que adicionar e acaba vendo cenas pornográficas e isso não é nada legal.
Quem mente o nariz cresce! Se vivêssemos no mundo de Pinóquio, rapidamente saberíamos quem são as pessoas que mentem... Mas, infelizmente, as coisas não funcionam assim. Além das mentiras que os outros nos contam, também devemos ter um cuidado especial para não sermos os mentirosos da vez. Eu vi uma situação que vale a pena ser citada, em se referindo a mentiras que nós podemos, por algum deslize, “contar”.

Todo mundo sabe que demora alguns anos para que as curvas no corpo de uma menina apareçam, e com 9 anos de idade ela provavelmente não terá um “corpão”, não é mesmo? Mas o que me surpreendeu foi ver uma menina com essa idade, 9 anos, usando os sutiãs das irmãs e colocando papel higiênico como enchimento. Isso foi feito para fazer de conta que ela tinha seios grandes. Depois da produção, ela tirou algumas fotos e colocou no Orkut. Por que isso foi feito? Muitas pessoas, desde de pequenas como podemos ver, pensam muito na aparência: ser bonita e estar em forma é mais importante do que qualquer coisa no mundo!

Bobagem! Assim como Pitty diria “o importante é ser você, mesmo que seja estranho”. As pessoas que gostam de você não vão se importar com sua aparência, nenhum pouco. Pior do que mentir para os outros é mentir para você mesmo, querendo ser o que você não é na verdade. Além da imagem, também não minta sobre sua idade, onde mora e coisas do gênero.
Se você suspeita que alguma pessoa está mandando recados feios, com palavrões ou outro tipo de coisa, conte imediatamente par seus pais. Não fique com medo, sua mãe e seu pai não vai cortar a internet de você, pelo contrário, eles terão certeza que o (a) filho (a) deles está atento com os perigos que podem acontecer. Por isso, não perca tempo e conte rapidamente.
Qualquer coisa estranha, conte imediantamente para seus pais.
O Orkut e o MSN são ótimos meios de comunicação, por serem rápidos e muito divertidos. Portanto, use-os corretamente, fique sempre de olho bem aberto para não cair nas armadilhas que pessoas sem caráter possam aprontar.

Fonte de Pesquisa e Direitos Autorais :
TecMundo-Informaçoes Sobre Segurança na Web

O que e Dengue e Seus Sintomas

Mutação do vírus da dengue pode causar problemas neurológicos

Da Agência Estado
em São Paulo
Nos últimos anos, o Brasil tem registrado manifestações graves, raras e pouco conhecidas da dengue: os problemas neurológicos. Para Luiz Hildebrando Pereira da Silva, do Instituto de Patologias Tropicais de Rondônia e um dos maiores especialistas em doenças tropicais, os quadros indicam que a alta circulação do vírus propiciou mutações do microorganismo, tornando-o mais agressivo. Normalmente o vírus prejudica todos os vasos sangüíneos do corpo, mas nesses casos acabaria prejudicando gravemente também aqueles que irrigam áreas do cérebro que comandam os movimentos, por exemplo.

Só no ano passado, o Estado de Mato Grosso do Sul, que viveu uma epidemia da doença, calcula que pelo menos dez pessoas tenham apresentado sintomas da "dengue neurológica". Em Goiás, apesar da redução de 50% no número absoluto de casos no ano passado em relação a 2006, cinco pacientes tiveram sintomas depois de contrair a doença. Em 2006, foram 17. A região Centro-Oeste foi a que registrou a mais alta incidência do problema em 2007.

Entre 2004 e 2005 o Ministério da Saúde identificou em Rondônia 51 pacientes com problemas neurológicos relacionados à dengue e destacou, em nota técnica, que diferentemente dos relatos comuns dos livros médicos, os casos não foram isolados, mas apareceram aglomerados durante uma epidemia da doença. Estudo do serviço de Neurologia do Hospital da Restauração, em Recife, apontou que, em 2002, 34 pessoas tiveram quadros neurológicos após a infecção por dengue, o terceiro registro deste tipo de problema no país desde 1987.

Atualmente o ministério, em seus manuais clínicos, inclui os casos neurológicos em uma classificação chamada dengue com complicações, onde aparecem também problemas hepáticos, cardiorrespiratórios e gastrointestinais associados à doença. As complicações podem surgir com um quadro de dengue clássica ou hemorrágica. Ou seja, além dos sintomas conhecidos, como febre, dor no corpo, surgem os problemas neurológicos. Segundo especialistas, os quadros podem ter relação com uma resposta exacerbada do sistema de defesa do organismo. Em alguns casos, os sintomas aparecem quando o paciente está melhorando. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


O que e Dengue e Seus Sintomas



A dengue é uma doença infecciosa febril aguda causada por um vírus da família Flaviridae e é transmitida, no Brasil, através do mosquito Aedes aegypti, também infectado pelo vírus. Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública de todo o mundo.
Em todo o mundo, existem quatro tipos de dengue, já que o vírus causador da doença possui quatro sorotipos: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4.
A dengue é conhecida no Brasil desde os tempos de colônia. O mosquito Aedes aegypti tem origem africana. Ele chegou ao Brasil junto com os navios negreiros, depois de uma longa viagem de seus ovos dentro dos depósitos de água das embarcações.
O primeiro caso da doença foi registrado em 1685, em Recife (PE). Em 1692, a dengue provocou 2 mil mortes em Salvador (BA), reaparecendo em novo surto em 1792.
Em 1846, o mosquito Aedes aegypti tornou-se conhecido quando uma epidemia de dengue atingiu o Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. Entre 1851 e 1853 e em 1916, São Paulo foi atingida por epidemias da doença. Em 1923, Niterói, no estado do Rio, lutou contra uma epidemia em sua região oceânica.
Em 1903, Oswaldo Cruz, então Diretor Geral da Saúde Pública, implantou um programa de combate ao mosquito que alcançou seu auge em 1909. Em 1957, anunciou-se que a doença estava erradicada do Brasil, embora os casos continuassem ocorrendo até 1982, quando houve uma epidemia em Roraima.
Em 1986, foram registradas epidemias nos estados do Rio de Janeiro, de Alagoas e do Ceará. Nos anos seguintes, outros estados brasileiros foram afetados.
No Rio de Janeiro (Região Sudeste) ocorreram duas grandes epidemias. A primeira, em 1986-87, com cerca de 90 mil casos; e a segunda, em 1990-91, com aproximadamente 100 mil casos confirmados. A partir de 1995, a dengue passou a ser registrada em todas as regiões do país. Em 1998 ocorreram 570.148 casos de dengue no Brasil; em 1999 foram registrados 204.210 e, em 2000, até a primeira semana de março, 6.104.
Em 2006, o número de casos de dengue voltou a crescer no país. Segundo dados do Ministério da Saúde, entre janeiro e setembro de 2006 foram registrados 279.241 casos de dengue o equivalente a 1 caso (não fatal) para cada 30 km ² do território desse país. Um crescimento de 26,3% em relação ao mesmo período em 2005. A região com maior incidência foi a Sudeste.
Já em 2008, a doença volta com força total, principalmente no Rio de Janeiro, onde foram registrados quase 250 mil casos da doença e 174 mortes em todo o Estado (e outras 150 em investigação), sendo 100 mortes e 125 mil casos somente na cidade do Rio de Janeiro. A epidemia de 2008 superou, em número de vítimas fatais, a epidemia de 2002, onde 91 pessoas morreram. Nos últimos anos, outros estados do Brasil também registraram uma epidemia de Dengue .
Atualmente, a dengue hemorrágica está entre as dez principais causas de hospitalização e morte de crianças em países da Ásia tropical. Nas Américas, a primeira epidemia de dengue hemorrágico que se tem notícia ocorreu em Cuba, em 1981.

Virus-da-Dengue

Em todo o mundo, existem quatro tipos de dengue, já que o vírus causador da doença possui quatro sorotipos: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4.
No Brasil, já foram encontrados da dengue tipo 1, 2, 3 e 4.  O vírus tipo 4 não era registrado no País há 28 anos, mas em 2010 foi notificado em alguns estados, como o Amazonas e Roraima,
A dengue tipo 4 apresenta risco a pessoas já contam
inadas com os vírus 1, 2 ou 3, que são vulneráveis à manifestação alternativa da doença. Complicações podem levar pessoas infectadas ao desenvolvimento de dengue hemorrágica.
Formas de apresentação
A dengue pode se apresentar – clinicamente – de quatro formas diferentes formas: Infecção Inaparente, Dengue Clássica, Febre Hemorrágica da Dengue e Síndrome de Choque da Dengue. Dentre eles, destacam-se a Dengue Clássica e a Febre Hemorrágica da Dengue.
Vírus da Dengue (rcsb.org)
- Infecção Inaparente
A pessoa está infectada pelo vírus, mas não apresenta nenhum sintoma da dengue. A grande maioria das infecções da dengue não apresenta sintomas. Acredita-se que de cada dez pessoas infectadas apenas uma ou duas ficam doentes.
- Dengue Clássica
A Dengue Clássica é uma forma mais leve da doença e semelhante à gripe. Geralmente, inicia de uma hora para outra e dura entre 5 a 7 dias. A pessoa infectada tem febre alta (39° a 40°C), dores de cabeça, cansaço, dor muscular e nas articulações, indisposição, enjôos, vômitos, manchas vermelhas na pele, dor abdominal (principalmente em crianças), entre outros sintomas.
Os sintomas da Dengue Clássica duram até uma semana. Após este período, a pessoa pode continuar sentindo cansaço e indisposição.
- Dengue Hemorrágica
A Dengue Hemorrágica é uma doença grave e se caracteriza por alterações da coagulação sanguínea da pessoa infectada. Inicialmente se assemelha a Dengue Clássica, mas, após o terceiro ou quarto dia de evolução da doença, surgem hemorragias em virtude do sangramento de pequenos vasos na pelo e nos órgãos internos. A Dengue Hemorrágica pode provocar hemorragias nasais, gengivais, urinárias, gastrointestinais ou uterinas.
Na Dengue Hemorrágica, assim que os sintomas de febre acabam a pressão arterial do doente cai, o que pode gerar tontura, queda e choque. Se a doença não for tratada com rapidez, pode levar à morte.
- Síndrome de Choque da Dengue
Esta é a mais séria apresentação da dengue e se caracteriza por uma grande queda ou ausência de pressão arterial. A pessoa acometida pela doença apresenta um pulso quase imperceptível, inquietação, palidez e perda de consciência. Neste tipo de apresentação da doença, há registros de várias complicações, como alterações neurológicas, problemas cardiorrespiratórios, insuficiência hepática, hemorragia digestiva e derrame pleural.
Entre as principais manifestações neurológicas, destacam-se: delírio, sonolência, depressão, coma, irritabilidade extrema, psicose, demência, amnésia, paralisias e sinais de meningite. Se a doença não for tratada com rapidez, pode levar à morte
O MOSQUITO DA DENGUE
A dengue é transmitida para o homem através da picada do mosquito Aedes aegypti (aēdēs do grego “odioso” e ægypti do latim “do Egipto”). Mais conhecido como mosquito da dengue, ele pertence a uma espécie de mosquito da família Culicidae proveniente de África e que já pode ser encontrado por quase todo o mundo, com mais ocorrências nas regiões tropicais e subtropicais, sendo dependente da concentração humana no local para se estabelecer.
O mosquito da dengue (Aedes aegypti) é o vector de doenças graves, como o dengue e a febre amarela, e por isso o controle de sua reprodução é considerado assunto de saúde pública.
O Aedes aegypti é um mosquito que se encontra ativo e pica durante o dia, ao contrário do Anopheles, vector da malária, que tem atividade crepuscular (durante o amanhecer ou anoitecer) tendo como vítima preferencial o homem.

O mosquito da dengue tem cerca de 0,5 cm de comprimento, é preto com pequenos riscos brancos no dorso, na cabeça e nas pernas e suas asas são translúcidas. (Imagem: Emílio Goeldi)
De difícil controle, já que seus ovos são muito resistentes e sobrevivem vários meses até que a chegada de água propicia a incubação, o mosquito da dengue deposita seus ovos em diversos locais e rapidamente se transformam em larvas, que dão origem às pupas, das quais surge o adulto. Assim como na maioria dos demais mosquitos, somente as fêmeas se alimentam de sangue para a maturação de seus ovos; os machos se alimentam apenas substâncias vegetais e açucaradas.
Os ovos dos mosquitos são depositados normalmente em áreas urbanas, em locais com pequenas quantidades de água limpa, sem a presença de matéria orgânica em decomposição e sais. Em função disso, a água é ácida. Normalmente, eles escolhem locais que estejam sombreados e em zonas residenciais. Por isso, é importante não deixar objetos com água parada dentro de casa ou no quintal. Sem este ambiente favorável, o aedes aegypti não consegue se reproduzir. Ver formas de prevenção da dengue.
  • Ramo: Arthropoda (pés articulados);
  • Classe: Hexapoda (três pares de patas);
  • Ordem: Diptera (um par de asas anterior funcional e um par posterior transformado em halteres);
  • Família: Culicidae;
  • Gênero: Aedes.
 
    O mosquito da dengue (Aedes Aegypti)  é menor que os mosquitos comuns, tem, em média, 0,5 cm de comprimento. Ele é preto com pequenos riscos brancos no dorso, na cabeça e nas pernas. Suas asas são translúcidas e o ruído que produzem é praticamente inaudível ao ser humano.
    O macho alimenta-se de frutas ou outros vegetais adocicados. Já as fêmeas se alimentam de sangue animal, principalmente humano. É no momento que está retirando o sangue que a fêmea contaminada transmite o vírus da dengue para o ser humano. Na picada, ela aplica uma substância anestésica, fazendo com que não haja dor na picada.
    As fêmeas costumam picar o ser humano no começo da manhã ou no final da tarde. Picam nas regiões dos pés, tornozelos e pernas. Isto ocorre, pois costumam voar a uma altura máxima de meio metro do solo.

    COMO SE TRASMITE A DENGUE
    A dengue é transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti ou Aedes albopictus (ambos da família dos pernilongos) infectados com o vírus transmissor da doença.
    A transmissão nos mosquitos ocorre quando ele suga o sangue de uma pessoa já infectada com o vírus da dengue. Após um período de incubação, que inicia logo depois do contato do pernilongo com o vírus e dura entre 8 e 12 dias, o mosquito está apto a transmitir a doença.
    Nos seres humanos, o vírus permanece em incubação durante um período que pode durar de 3 a 15 dias. Só após esta etapa, é que os sintomas da dengue podem ser percebidos.
    É importante destacar que não há transmissão através do contato direto de um doente ou de suas secreções com uma pessoa sadia. O vírus também não é transmitido através da água ou alimento.
    Lembrete: Quem estiver com dengue deve se prevenir de picadas do mosquito Aedes aegypti para evitar a transmissão da doença para o mosquito. Assim, é possível cortar mais uma cadeia de transmissão do vírus. Portanto, quem estiver com dengue deve usar repelentes, mosquiteiros e/ou outras formas de evitar a picada do mosquito da dengue .

    O diagnóstico da dengue é realizado com base na história clínica do doente, exames de sangue, que indicam a gravidade da doença, e exames específicos para isolamento do vírus em culturas ou anticorpos específicos.
    Para comprovar a infecção com o vírus da dengue, é necessário fazer a sorologia, que é um exame que detecta a presença de anticorpos contra o vírus do dengue. A doença é detectada a partir do quarto dia de infecção.
    Inicialmente, é feito um o diagnóstico clínico para descartar outras doenças. Após esta etapa, são realizados alguns exames, como hematócrito e contagem de plaquetas. Estes testes não comprovam o diagnóstico da dengue, já que ambos podem ser alterados por causa de outras infecções.

    Dengue Hemorrágica

    Há três exames que podem ser utilizados identificar a dengue hemorrágica: a prova do laço, a contagem das plaquetas e a contagem dos glóbulos vermelhos. A prova do laço é um exame de consultório, com uma borrachinha o médico prende a circulação do braço e vê se há pontos vermelhos sob a pele, que indicariam a doença. Os outros testes são feitos por meio de uma amostra de sangue em laboratório.
    Lembrete: A dengue hemorrágica deve ser diagnóstica rapidamente, pois se a doença não for tratada com rapidez, pode levar à morte.
    TRATAMENTO DA DENGUE PACIENTES

    O tratamento da dengue requer bastante repouso e a ingestão de muito líquido, como água, sucos naturais ou chá. No tratamento, também são usados medicamentos anti-térmicos que devem recomendados por um médico.
    É importante destacar que a pessoa com dengue NÃO pode tomar remédios à base de ácido acetil salicílico, como AAS, Melhoral, Doril, Sonrisal, Alka-Seltzer, Engov, Cibalena, Doloxene e Buferin. Como eles têm um efeito anticoagulante, podem promover sangramentos.
    O doente começa a sentir a melhorar cerca de quatro dias após o início dos sintomas da dengue, que podem permanecer por 10 dias.
     

    É preciso hidratar o paciente com sintomas da dengue. (Foto: Davide Guglielmo)
    É preciso ficar alerta para os quadros mais graves da doença. Se aparecerem sintomas, como dores abdominais fortes e contínuas, vômitos persistentes, tonturas ao levantar, alterações na pressão arterial, fígado e baço dolorosos, vômitos hemorrágicos ou presença de sangue nas fezes, extremidades das mãos e dos pés frias e azuladas, pulso rápido e fino, diminuição súbita da temperatura do corpo, agitação, fraqueza e desconforto respiratório, o doente deve ser levado imediatamente ao médico.
    Em caso de suspeita de dengue, procure a ajuda de médico. Este profissional irá orientá-lo a tomar as providências necessárias do seu caso.

    Leia mais:
    Combate a Dengue
    UOl-Ciencia e Saude 

    O Que é Diabetes E Seus Sintomas

    • O que é Diabetes?

    É uma disfunção do metabolismo, ou seja, do jeito com que o organismo usa a digestão dos alimentos para crescer e produzir energia. A maioria das comidas que comemos é quebradaem partículas de glicose, um tipo de açúcar que fica no sangue. Esta substância é o principal combustível para o corpo.

    Depois da digestão, a glicose passa para a corrente sanguínea, onde é utilizada pelas células para crescer e produzir energia. No entanto, para que a glicose possa adentrar as células, ela precisa da ajuda de uma outra substância, a insulina. A insulina é um hormônio produzido no pâncreas, uma grande glândula localizada atrás do estômago. Quando nos alimentamos, o pâncreas produz automaticamente a quantidade certa de insulina necessária para mover a glicose do sangue para as células do corpo. Nas pessoas com diabetes, porém, o pâncreas produz pouca insulina ou então as células não respondem da forma esperada à insulina produzida. O que acontece? A glicose do sangue vai direto para a urina sem que o corpo se aproveite dela. Ou então fica no sangue, aumenta o que se chama de glicemia (concentração de glicose) e também não é aproveitada pelas células. Deste modo, o corpo perde sua principal fonte de combustível, pois há glicose no sangue, mas ela não pode ser jogada fora sem ser utilizada.

    Quais os tipos existentes de diabetes? Diabetes do tipo 1
    Diabetes do tipo 2
    Diabetes gestacional

    Diabetes tipo 1Este tipo de diabetes é uma doença auto-imune. O que significa isto? Significa que o sistema que seria responsável por defender o corpo de infecções (o sistema imunológico) atua de forma contrária e acaba lutando contra uma parte do próprio organismo. No diabetes, por exemplo, o sistema imunológico ataca as células do pâncreas responsáveis pela produção de insulina, matando-as. Assim, este órgão passa a produzir pouca ou nenhuma insulina. Por conta disso, quem tem diabetes do tipo 1 deve tomar insulina todos os dias.

    Diabetes do tipo 2Esta é a forma mais comum do diabetes. Entre 90% a 95% das pessoas que são diagnosticadas com esta doença, tem o tipo 2. Este diabetes está associada à velhice, obesidade, histórico da moléstia na família e de diabetes gestacional, além do sedentarismo. Nada menos do que 80% das pessoas que têm diabetes tipo 2 estão acima do peso ideal.

    Por causa do aumento da obesidade entre crianças e adolescentes, já que as dietas de hoje em dia não são nada saudáveis, esta doença tem aumentando nestas faixas etárias. Nesta doença, quase sempre o pâncreas produz a quantidade suficiente de insulina, mas, por razões desconhecidas, o corpo não consegue utilizar esta substância de forma efetiva. A este problema dá-se o nome de resistência à insulina. Depois de alguns anos de resistência, a produção desta substância acaba diminuindo. O resultado é o mesmo de diabetes do tipo 1: a glicose produzida na digestão não é utilizada como combustível pelo corpo.

    Este tipo de diabetes pode causar sérias complicações. Por isso, é muito importante reconhecer os sintomas desta doença. Eles desenvolvem-se de forma gradual. Ao contrário do que ocorre na do tipo 1, eles não aparecem repentinamente. Mas podem ser bastante parecidos e são reflexos do aumento da quantidade de açúcar no sangue:

    Cansaço extremo
    Náusea
    Aumento da quantidade de urina
    Sede além do normal
    Perda de peso
    Visão embaçada
    Infecções freqüentes


    Há outros sintomas menos freqüentes e mais graves:
    Dificuldade de curar cortes e machucados
    Coceira na pele (geralmente na área vaginal ou da virilha)
    Perda da visão
    Impotência

    Algumas pessoas, no entanto, não apresentam sintomas.

    Diabetes gestacional
    É uma doença caracterizada pelo aumento do nível de açúcar no sangue que aparece pela primeira vez na gravidez. Este problema acontece em cerca de 4% das mulheres que ficam grávidas. Ela pode desaparecer depois do parto ou transformar-se num diabetes do tipo 2.
    Fonte Da Pesquisa:
    Sitio- Minha Vida

    Utilidades: O que Cancer Infantil- E seus Sintomas

    Utilidades: O que Cancer Infantil- E seus Sintomas

    O que Cancer Infantil- E seus Sintomas

    O que  e Cancer Infantil
    e seus Sintomas
     
      O progresso no desenvolvimento do tratamento do câncer na infância foi espetacular nas últimas quatro décadas. Estima-se que em torno de 70% das crianças acometidas de câncer podem ser curadas, se diagnosticadas precocemente e tratadas em centros especializados. A maioria dessas crianças terá boa qualidade de vida após o tratamento adequado.

    Com base em referências dos registros de base populacional, são estimados mais de 9000 casos novos de câncer infanto-juvenil, no Brasil, por ano. Assim como em países desenvolvidos, no Brasil, o câncer já representa a segunda causa de mortalidade proporcional entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos, para todas as regiões. Como a primeira causa são aquelas relacionadas aos acidentes e à violência, podemos dizer que o câncer é a primeira causa de mortes por doença, após 1 ano de idade, até o final da adolescência. Dessa forma, revestem-se de importância fundamental para o controle dessa situação e o alcance de melhores resultados, as ações específicas do setor saúde, como organização da rede de atenção e desenvolvimento das estratégias de diagnóstico e tratamento oportunos.
    Câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. As neoplasias mais freqüentes na infância são as leucemias (glóbulos brancos), tumores do sistema nervoso central e linfomas (sistema linfático). Também acometem crianças o neuroblastoma (tumor de células do sistema nervoso periférico, freqüentemente de localização abdominal), tumor de Wilms (tumor renal), retinoblastoma (tumor da retina do olho), tumor germinativo (tumor das células que vão dar origem às gônadas), osteossarcoma (tumor ósseo), sarcomas (tumores de partes moles).
    Diferentemente do câncer de adulto, o câncer da criança geralmente afeta as células do sistema sangüíneo e os tecidos de sustentação, enquanto que o do adulto afeta as células do epitélio, que recobre os diferentes órgãos (câncer de mama, câncer de pulmão). Doenças malignas da infância, por serem predominantemente de natureza embrionária, são constituídas de células indiferenciadas, o que determina, em geral, uma melhor resposta aos métodos terapêuticos atuais.
    No adulto, em muitas situações, o surgimento do câncer está associado claramente aos fatores ambientais como, por exemplo, fumo e câncer de pulmão. Nos tumores da infância e adolescência, até o momento, não existem evidências científicas que nos permitam observar claramente essa associação. Logo, prevenção é um desafio para o futuro. A ênfase atual deve ser dada ao diagnóstico precoce e orientação terapêutica de qualidade.

    Em nosso meio,  muitos pacientes ainda são encaminhados ao centro de tratamento com doenças em estágio avançado, o que se deve a vários fatores: desinformação dos pais, medo do diagnóstico de câncer (podendo levar à negação dos sintomas), desinformação dos médicos. Também contribuem para esses atrasos no diagnóstico, os problemas de organização da rede de serviços e o acesso desigual às tecnologias diagnósticas.  Mas algumas vezes também está relacionado com as características de determinado tipo de tumor, porque a apresentação clínica dos mesmos pode não diferir muito de diferentes doenças, muitas delas bastante comuns na infância. Os sinais e sintomas não são necessariamente específicos e, não raras vezes, a criança ou o jovem podem ter o seu estado geral de saúde ainda em razoáveis condições, no início da doença. Por esse motivo, é de importância crucial o conhecimento médico sobre a possibilidade da doença. 
    É muito importante estar atento a algumas formas de apresentação dos tumores da infância.

    • Nas leucemias, pela invasão da medula óssea por células anormais, a criança se torna suscetível a infecções, pode ficar pálida, ter sangramentos e sentir dores ósseas.
    • No retinoblastoma, um sinal importante de manifestação é o chamado "reflexo do olho do gato", que é o embranquecimento da pupila quando exposta à luz. Pode se apresentar, também, através de fotofobia ou estrabismo. Geralmente acomete crianças antes dos três anos de idade. Hoje a pesquisa desse reflexo poderá ser feita desde a fase de recém-nascido.
    • Algumas vezes, os pais notam um aumento do volume ou uma massa no abdomen, podendo tratar-se nesse caso, também, de um tumor de Wilms ou neuroblastoma.
    • Tumores sólidos podem se manifestar pela formação de massa, podendo ser visíveis ou não e causar dor nos membros, sintoma, por exemplo, freqüente no osteossarcoma (tumor no osso em crescimento), mais comum em adolescentes.
    • Tumor de sistema nervoso central tem como sintomas dor de cabeça, vômitos, alterações motoras, alterações de comportamento e paralisia de nervos.

    É importante que os pais estejam alertas para o fato de que a criança não inventa sintomas e que ao sinal de alguma anormalidade, levem seus filhos ao pediatra para avaliação. É igualmente relevante saber que, na maioria das vezes, esses sintomas estão relacionados a doenças comuns na infância. Mas isto não deve ser motivo para que a visita ao médico seja descartada.

    O tratamento do câncer começa com o diagnóstico correto, em que há necessidade da participação de um laboratório confiável e do estudo de imagens. Pela sua complexidade, o tratamento deve ser efetuado em centro especializado, e compreende três modalidades principais (quimioterapia, cirurgia e radioterapia), sendo aplicado de forma racional e individualizada para cada tumor específico e de acordo com a extensão da doença. O trabalho coordenado de vários especialistas também é fator determinante para o êxito do tratamento (oncologistas pediatras, cirurgiões pediatras, radioterapeutas, patologistas, radiologistas), assim como o de outros membros da equipe médica (enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos, nutricionistas, farmacêuticos).

    Tão importante quanto o tratamento do câncer em si, é a atenção dada aos aspectos sociais da doença, uma vez que a criança e o adolescente doentes devem receber atenção integral, inseridos no seu contexto familiar. A cura não deve se basear somente na recuperação biológica, mas também no bem-estar e na qualidade de vida do paciente. Neste sentido, não deve faltar  ao paciente e à sua família,  desde o início do tratamento, o suporte psicossocial necessário, o que envolve o comprometimento de uma equipe multiprofissional e a relação com  diferentes setores da sociedade, envolvidos no apoio às famílias e à saúde de crianças e jovens .



    Prescisa  de Ajuda? Links..
    Endereço Da Aura em Bh Mg..

    Siga Me